COMIDA NATURAL: MITOS E VERDADES DA GERAÇÃO SAÚDE

A alavancada do conceito farm to table – que valoriza o consumo de produtos frescos e de qualidade – e o crescimento do mercado orgânico, introduziram o mundo gastronômico à geração saúde.

Mas não é só a gastronomia que está passando por esse processo de conscientização, como é notório nas redes sociais a busca pela saúde, aliando alimentação saudável à prática regular de exercícios físicos é incessante.

O único ponto negativo dessa nova onda é que com ela surgiram vários mitos e equívocos. Depois de muito ler e ouvi-los por aí, resolvi comentar alguns deles:

 

“Comida orgânica não alimenta”
Ser orgânico nada mais é do que ser produzido sem agrotóxicos e sem aditivos químicos. Uma batata orgânica alimenta tanto quanto uma batata convencional. Fique tranquilo, a batata orgânica não vai te deixar com fome e de quebra você ainda evita a ingestão de produtos químicos. Ah, e pelo amor de Deus: orgânico não é vegetariano, assim como cachaça não é água.

“Suco engorda, só tomo bebidas zero” 
Engordar depende de muitos fatores, um deles o funcionamento do seu organismo e metabolismo, dependentes da qualidade da sua alimentação. Sim, o suco (natural, por favor, feito na hora com fruta de verdade) pode ser mais calórico mas as bebidas zero, principalmente os refrigerantes são verdadeiros lobos em pele de cordeiro: bebidas vazias feitas apenas de elementos químicos.

“Veganismo x vegetarianismo”
O veganismo tem vertentes, tem pessoas que seguem uma dieta vegan, isto é, não comem absolutamente nada de origem animal e outras pessoas seguem um estilo de vida vegan: além de não comerem nada de origem animal, são super defensores deles. Não usam couro e nem cosméticos testados em animais, por exemplo. Já o vegetariano, não come nenhum tipo de animal mas comem seus derivados: leite, ovos, queijo, mel.

“Cortar o glúten e a lactose emagrece” 
O glúten e a lactose foram tidos como vilões de uns tempos pra cá. A única ocasião em que eles são realmente vilões é se você tem alergia ou intolerância à um deles. Algumas pessoas acham que estão mudando de vida trocando o pão integral pelo pão sem glúten, mas um dos pães sem glúten mais famosos tem a composição mil vezes pior que a de um pão integral qualquer. Só pra constar: a lactose é o açúcar presente no leite e seus derivados e o glúten é uma proteína encontrada em alimentos que levam trigo, centeio, cevada e aveia. E cortá-los da sua dieta não necessariamente fará com que você emagreça.

“Sempre escolho tudo que tenha menos calorias”
Esqueça calorias, desapegue! Anuncie na OLX e se livre desse mal pra sempre. O que de fato importa em todos os alimentos são seus nutrientes, sua procedência, qualidade, ingredientes e não o valor calórico. Pode ser que uma refeição super saudável seja mais calórica do que um lanche de um fast food. E aí, será que o fast food é melhor pra sua saúde?

“Lojinhas de produtos naturais”
Muitas pessoas acham que a partir do momento em que se compra tudo nas lojinhas naturais, você está a salvo de todos os males e vilões. Ler os rótulos e principalmente reconhecer os ingredientes é muito importante nessa hora. O documentário Fed Up, mostrou que o açúcar, por exemplo, (esse sim um grande vilão) pode ser escrito de 56 maneiras diferentes de forma que o consumidor não o identifique como açúcar. Fique ligado! A indústria alimentícea apela de todas as maneiras para que acreditemos que seus produtos são naturais e saudáveis. Evite produtos altamente processados.

“Vegetariano não come proteína”
Esse nutriente não é exclusividade do mundo animal. Ervilha, grão de bico, chia, quinoa, tofu, soja, seitan e brócolis são alguns exemplos de fonte de proteínas vegetarianas.

 

Formada em gastronomia no Brasil, em Nova York estudou na meca da culinária saudável, o Natural Gourmet Institute. Envolvida no constante estudo de técnicas de cozinha e relação corpo x alimentação em busca de uma alimentação e cozinha mais saudável, acredita que devemos sempre priorizar os alimentos integrais, orgânicos, sazonais, locais e frescos. Responsável pela cozinha do Naturalie Bistrô, RJ.

Formada em gastronomia no Brasil, estudou em NY no Natural Gourmet Institute. Envolvida no estudo da relação corpo x alimentação em busca de uma cozinha mais saudável, acredita que devemos sempre priorizar os alimentos integrais, orgânicos, sazonais, locais e frescos. Responsável pela cozinha do Naturalie Bistrô, RJ.